Existe abuso espiritual? Pastor diz que sim e mostra sete formas usadas por líderes cristãos

O livro foi escrito em 1991, mas as regras continuam bastante atuais e visíveis em muitos ministérios brasileiros

Ronald M. Enroth, pastor americano, resolveu acompanhar algumas pessoas que se desligaram da Jesus People USA, um grupo religioso dos Estados Unidos, e coletou informações sobre como os pastores faziam pressão psicológica para impedir que o povo deixasse sua congregação.

As atitudes usadas por eles foram marcadas como “abuso espiritual” e foram relatadas em um livro assinado por Ronald que também é sociólogo de religião. Apesar de ser uma pesquisa realizada nos Estados Unidos percebe-se que muitas dessas atitudes são aplicadas nas igrejas brasileiras para impedir que os membros se desliguem e partam para outros ministérios.

O pastor Enrolth listou no livro “Churches That Abuse”, lançado em 1991, sete formas de abuso espiritual praticadas por igrejas evangélicas. Entre elas a distorção da Palavra, a criação de uma liderança autocrática, o sentimento de superioridade em relação ao outros grupos religiosos e o elitismo espiritual.

O pastor Serol, da Igreja Batista da Palavra Viva resumiu As Sete Regas do Abuso Espiritual em seu blog.

Confira:

Distorção da Escritura

para defender os abusos usam de doutrinas do tipo “cobertura espiritual”, distorcem o sentido bíblico da autoridade e submissão, etc. Encontram justificativas para qualquer coisa. Estes grupos geralmente são fundamentalistas e superficiais em seu conhecimento bíblico. O que o líder ensina é aceito sem muito questionamento e nem é verificado nas Escrituras se as coisas são mesmo assim, ao contrario do bom exemplo dos bereanos que examinavam tudo o que Paulo lhes dizia.

Liderança autocrática

discordar do líder é discordar de Deus. É pregado que devemos obedecer ao discipulador, mesmo que este esteja errado. Um dos “homens de Deus” de uma igreja diz que se jogaria na frente de um trem caso o “Líder” ordenasse, pois Deus faria um milagre para salvá-lo ou a hora dele tinha chegado. A hierarquia é em forma de pirâmide (às vezes citam o salmo 133 como base), e geralmente bastante rígida.

Em muitos casos não é permitido chamar alguém com cargo importante pelo nome, (seria uma desonra) mas sim pelo cargo que ocupa, como por exemplo “pastor Fulano”, “bispo X”, “apostolo Y”, etc. Alguns afirmam crer em “teocracia” e se inspiram nos líderes do Antigo Testamento. Dizem que democracia é do demônio, até no nome.

Isolacionismo

o grupo possui um sentimento de superioridade. Acredita que possui a melhor revelação de Deus, a melhor visão, a melhor estratégia. Eu percebi que a relação com outros ministérios se da com o objetivo de divulgar a marca (nome da denominação), para levar avivamento para os outros ou para arranjar publico para eventos. O relacionamento com outros ministérios é desencorajado quando não proibido. Em alguns grupos no louvor são tocadas apenas músicas do próprio ministério.

Elitismo espiritual

é passada a idéia de que quanto maior o nível que uma pessoa se encontra na hierarquia da denominação, mais esta pessoa é espiritual, tem maior intimidade com Deus, conhece mais a Biblia, e até que possui mais poder espiritual (unção). Isso leva à busca por cargos. Quem esta em maior nível pode mandar nos que estão abaixo. Em algumas igrejas o número de discipulos ou de células é indicativo de espiritualidade. Em algumas igrejas existem camisetas para diferenciar aqueles que são discípulos do pastor. Quanto maior o serviço demonstrado à denominação, ou quanto maior a bajulação, mais rápida é a subida na hierarquia.

Controle da vida

quando os líderes, especialmente em grupos com discipulado, se metem em áreas particulares da vida das pessoas. Controlam com quem podem namorar, se podem ou não ir para a praia, se devem ou não se mudar, roupas que podem vestir, etc. É controlada inclusive a presença nos cultos. Faltar em algum evento pro motivos profissionais ou familiares é um pecado grave. Um pastor, discípulo direto do líder de uma denominação, chegou a oferecer atestados médicos falsos para que as pessoas pudessem participar de um evento, e meu amigo perdeu o emprego por discordar dessa imoralidade.

Rejeição de discordâncias

não existe espaço para o debate teológico. A interpretação seguida é a dos lideres. É praticamente a doutrina da infalibilidade papal. Qualquer critica é sinônimo de rebeldia, insubmissão, etc. Este é considerado um dos pecados mais graves. Outros pecados morais não recebem tal tratamento. Eu mesmo precisei ouvir xingamentos por mais de duas horas por discordar de posicionamentos políticos da denominação na qual congregava. Quem pensa diferente é convidado a se retirar. As denominações publicam as posições oficiais, que são consideradas, obviamente, as mais fiéis ao original. Os dogmas são sagrados.

Saída traumática

quem se desliga de um grupo destes geralmente sofre com acusações de rebeldia, de falta de visão, egoismo, preguiça, comodismo, etc. Os que permanecem no grupo são instruídos a evitar influências dos rebeldes, que são desmoralizados.

Os desligamentos são tratados como uma limpeza que Deus fez, para provar quem é fiel ao sistema. Não compreendem como alguém pode decidir se desligar de algo que consideram ser visão de Deus. Assim, se desligar de um grupo destes é equivalente a se rebelar contra o chamado de Deus. Muitas vezes relacionamentos são cortados e até familias são prejudicadas apenas pelo fato de alguém não querer mais fazer parte do mesmo grupo ditatorial.

 

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br

Cristãos são presos por ‘posse de bíblias e oração’ na Arábia Saudita

Recentemente, 27 cristãos de origem libanesa, entre eles mulheres e crianças, foram presos por participar de um evento religioso realizado na Arábia Saudita. A polícia religiosa invadiu suas casas, perto da cidade de Meca, e os levou para a prisão, acusando-os de “realizar orações cristãs” e por “posse de bíblias”. Os cristãos perderam seus vistos e foram deportados para o Líbano em seguida. A informação é da ‘Portas Abertas”.

A Arábia Saudita é o maior país árabe da Ásia e da Península Arábica, ocupando a 14ª posição na atual Classificação da Perseguição Religiosa. Faz pouco tempo que a polícia religiosa recebeu autorização do governo para deter cristãos.

“Orar e possuir bíblias é uma acusação absurda para turistas, já que eles têm o direito de viajar com suas bíblias para uso pessoal. Os policiais fizeram isso com os viajantes porque as autoridades negam a existência de cristãos sauditas no país”, comenta um dos colaboradores da ‘Portas Abertas’.

As leis no Reino Saudita são contraditórias. Por um lado, o governo reconhece o direito dos não-muçulmanos de adorar em particular, mas por outro lado, a polícia religiosa, muitas vezes, não respeita esse direito. Como a lei não está formalmente codificada, a situação jurídica da prática religiosa privada permanece confusa, o que torna a situação dos cristãos muito delicada, como ilustra esse incidente.

 

Ore por essa nação, para que toda a perseguição aos cristãos cesse.

 

Fonte: Portas Abertas

Leia mais...

Jesus está acima da religião e a Bíblia mostra isso, diz evangelista Billy Graham

Jesus Cristo é alguém acima da religião e de qualquer líder religioso na história da humanidade. Essa afirmação – contundente, mas certeira – foi feita pelo evangelista Billy Graham em um artigo recente.

O líder cristão, prestes a completar 98 anos de idade, mantém uma seção de perguntas e respostas no site da associação que leva seu nome. Recentemente, ele foi questionado sobre quais são os pontos que diferenciam Jesus dos ícones de outras religiões.

“Por que Jesus é diferente de qualquer outro líder religioso que viveu na Terra. Eu não acho que realmente importa a forma como você acredita em Deus, porque eu creio que todas os caminhos levam para o mesmo Deus, de qualquer maneira”, questionou o leitor do site.

Graham, que viajou o mundo pregando o Evangelho, afirmou que se Jesus realmente fosse um líder religioso como outro qualquer, realmente ele teria que concordar com aquele ponto de vista. “Mas Jesus é mais que apenas um líder religioso ou filosófico. A Bíblia afirma isso e também nos lembra que Ele era Deus em forma humana”, escreveu Graham. “Em outras palavras, quando Jesus nasceu, o próprio Deus estava usando a carne humana e se tornou um homem. Pense nisso: quando Jesus andou sobre a Terra, o próprio Deus estava vivendo entre nós”, acrescentou.

O evangelista frisou que Jesus se distinguiu dos demais através dos milagres operados enquanto cumpria seu ministério e também em sua ressurreição dos mortos. “Eu te convido a olhar com uma mente e o coração abertos para Jesus Cristo e veja como Ele é citado nos Evangelhos do Novo Testamento”, sugeriu. “Quando você fizer isso, você não só vai descobrir quem Ele é, mas que Ele o ama e quer fazer morada dentro de você pelo Seu Espírito Santo. Não deixe que nada te mantenha longe d’Ele”, concluiu Graham, em sua resposta ao leitor.

Fonte: https://noticias.gospelmais.com.br/jesus-acima-religiao-biblia-mostra-isso-billy-graham-86349.html

OUTUBRO ROSA

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários Estados tinham ações isoladas referente ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de Outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama. Este é o tema que iremos abordar hoje 25 de outubro no programa ADNA NA TV.

Leia Mais